top of page

BIOGRAFIA

Saiba mais sobre Rodger Rogério, o grande cantor, compositor e violonista da geração do chamado "Pessoal do Ceará", que conquistou visibilidade nacional no começo dos anos 70, com grandes discos e shows. Rodger está comemorando 75 anos neste janeiro de 2019. Segue compondo, cantando e está lançando um novo EP de inéditas, "Velho Menino", disponível para ouvir e baixar aqui no site

Rodger Rogério. Compositor. Cantor. Violonista. Arranjador. Ator. Físico. Professor aposentado do Departamento de Física da Universidade Federal do Ceará.

 

Em 1964, fez parte, em sua cidade natal, Fortaleza, de um conjunto que se apresentava em casas noturnas.

Em 1968, casou-se com a cantora Téti (Maria Elisete Morais de Oliveira), com quem começou a compor e a realizar apresentações.

 

Em 1970, mudou-se para Brasília para fazer o curso de mestrado em Física. Dois anos depois, mudou-se para São Paulo, por ter sido nomeado professor do Departamento de Física da USP.

 

Nessa época, ao lado de Téti, Belchior e Ednardo, apresentou-se na TV Cultura de São Paulo. Em 1973, conheceu o produtor fonográfico Walter Silva, que o levou para a gravadora Continental, onde gravou seu primeiro LP, "Meu corpo, minha embalagem, todo gasto na viagem", ao lado de Teti e Ednardo, com quatro composições suas. O disco passaria à história como "Pessoal do Ceará", nome que vinha escrito em destaque no alto da página dupla interna da capa do álbum.

Nesse mesmo ano participou do show Mizturason, transmitido pela TV Record (SP). Ainda com Téti, fez uma temporada na Boate Igrejinha.

Em 1975 lançou o LP "Chão sagrado", ao lado de Téti, sendo a faixa-título uma parceria com Belchior. Participou, ainda, da série de programas "Mambembe", da TV Bandeirantes.

Em 1980 Téti volta a lançar músicas de Rodger Rogério em seu LP "Equatorial". Rodger, que havia retornado para Fortaleza no final dos anos 70, reassumindo seu posto de professor do Departamento de Física da UFC, participa da fundação da Rádio Universitária FM 107,9, da Universidade, em 1981, tendo sido o primeiro diretor da emissora.

Ao longo da década de 80 Rodger seguiu conciliando a música com as atividades acadêmicas e de comunicação. Participou de novos festivais. Apresentou na Rádio Universitária o programa "Anotações do Professor", em um esforço pioneiro de divulgação da ciência com linguagem mais acessível ao grande público.

Nos anos 90, descobriu-se ator, através de aulas de teatro, e passou a participar de muitas peças e filmes, sendo premiado como ator em festivais ao longo desta década e da seguinte.

Compôs, sob encomenda da TV Verdes Mares, afiliada da rede Globo no Ceará, o tema "Sereia Rainha", veiculado na emissora ao longo de vários meses, em um projeto sobre valorização da história e da cultura cearenses.

Rodger seguiu participando de diversos discos de compositores e de coletâneas. Em 2001 se apresentou no Anfiteatro do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, em show comemorativo ao aniversário de Fortaleza, ao lado de músicos como Italo Almeida, Luizinho Duarte, Moreira Filho e Rogério Franco.

Em 2003 lançou o disco "Ao Vivo na Feira da Música", gravado no Centro de Convenções do Ceará, ao lado de mestres como Manassés, Mingo Araújo, Pedro Rogério (filho de Rodger e hoje professor da UFC) e Aroldo Araújo.

Também realizou no Teatro Sesc Emiliano Queiroz o show "Do Tempo e das Águas", em que mostrou diversas canções inéditas, como a faaixa-título.

 

Particiou, ao lado de Téti e Ednardo, de show na Praça do Ferreira, em Fortaleza, comemorativo ao  aniversário da cidade. Também se apresentou ao lado de vários músicos consagrados na cena cearense e representantes do novo "Pessoal" em show no Aterro da Praia de Iracema, celebrando também o aniversário de Fortaleza, promovido pela Prefeitura da capital cearense.

Em 2018 participou de 8 shows de lançamento do disco "Futuro e Memória - Grandes Nomes da Música do Ceará", de Rogério Franco e Dalwton Moura, que além de Rodger reuniu Téti, Paula Tesser, Edmar Gonçalves, Calé Alencar, Kátia Freitas, Davi Duarte, Gilmar Nunes, Zé Luiz Mazziotti, Paulo César Oliveira, além de grandes instrumentistas, como Nonato Luiz, Adelson Viana, Cainã Cavalcante, Italo Almeida, entre vários outros. Com o espetáculo, circulou por Fortaleza (Theatro José de Alencar, Teatro Dragão do Mar, Centro Cultural Banco do Nordeste) e pelas cidades de Sobral, Meruoca, Juazeiro do Norte, Nova Olinda e Sousa-PB.

Em 2019 está comemorando 75 anos, com um show no Cineteatro São Luiz dia 20 de janeiro, com o lançamento de seu novo site e do EP "Velho Menino", de músicas inéditas, compostas com Dalwton Moura e Rogério Franco, além de um tema instrumental feito para o Festival de Cinema Digital de Jericoacoara - forma de homenagear o diretor do festival, o saudoso amigo Francis Vale.

 

Rodger Rogério segue compondo e organizando sua obra para novos registros, necessários à consolidação desse trabalho musical tão importante para os fãs, o Ceará e o Brasil.

bottom of page